Notícia

Banco Central condiciona queda dos juros a melhora da economia


A ata da última reunião do Conselho de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira, 06, repetiu o comunicado divulgado após a decisão da semana passada em manter a taxa básica de juros em 14,25 ao ano, ao avaliar que a flexibilização das condições monetárias dependerá de fatores que permitam maior confiança no alcance da meta para a inflação de 4,5% para 2017. Até a reunião anterior, de julho, o colegiado afirmava categoricamente que o balanço de riscos indicava não haver espaço para essa flexibilização.


Entre os fatores agora listados pelo Copom como condições para que possa haver mudança na taxa Selic, está uma combinação de variáveis domésticas, cuja evolução será avaliada pelo colegiado.


Assim como no comunicado da semana passada, a ata cita como parte dessas condições, que a persistência dos efeitos do choque de alimentos na inflação seja limitada, que os componentes do IPCA mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica indiquem desinflação em velocidade adequada, e que ocorra redução da incerteza sobre a aprovação e implementação dos ajustes necessários na economia, incluindo a composição das medidas de ajuste fiscal.


Ainda assim, o Copom afirmou que a avaliação dos impactos da evolução desses fatores sobre as perspectivas para a inflação envolverá julgamentos sobre as evidências disponíveis. "Não há fator que seja determinante por si só para as decisões de política monetária. Em outras palavras, nenhum dos fatores constitui condição necessária ou suficiente para uma flexibilização das condições monetárias", completa o documento.


Projeções. A ata do Banco Central repetiu as expectativas para a inflação de 2017 que foram divulgadas na semana passada, após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de manter a Selic em 14,25% ao ano. No cenário de referência, que utiliza taxas de câmbio e juros inalteradas em R$ 3,20 e 14,25% ao ano, a projeção de inflação está em torno de 4,5% e, no de mercado, próxima a 5,1%. Tanto para 2016 quanto para 2017, o centro da meta de inflação perseguida pelo Banco Central é de 4,5%, com 2 pontos porcentuais de tolerância para este ano e 1,5 ponto porcentual para o próximo.


Na ata, o Copom informou que mudou sua premissa para o câmbio, de R$ 3,25 do documento anterior para R$ 3,20 no de hoje. A cotação é utilizada para a formação do cenário de referência. Com isso, o novo valor considerado para o dólar segue próximo do negociado no dia em que o colegiado decidiu manter a Selic de 14,25% ao ano mais uma vez. Na quarta-feira passada, o dólar à vista fechou cotado a R$ 3,2268.


O realinhamento dos preços domésticos em relação aos internacionais - via alta do dólar - era apontado pelo BC na gestão de Alexandre Tombini como um dos principais fatores de pressão para a inflação no curto prazo ao longo de todo o ano passado, ao lado do ajuste de preços administrados ou monitorados pelo governo.


Fonte: Estadão


06/09/2016

TV UGT-RJ


Jornal UGT-RJ

Filie-se a UGT-RJ

Projeto Inclusão Digital

Cartilhas UGT-RJ


Visitantes

Contador de Acesso - Contador de visitas

Rádio Web Fire FM

Endereço: Rua Camerino, 128 7ºAndar, Centro - Rio de Janeiro, Cep: 20080-010

Telefone: (21) 2223-2656
Telefone: (21) 2223-7849
Desenvolvido por:


Todos os Direitos Reservados UGT RJ - União Geral dos Trabalhadores do Estado do Rio de Janeiro.