Notícia

Carta do Presidente da UGT em resposta a editorial do jornal “O Estado de SP”


Discussão democrática


Respeitamos a opinião deste jornal sobre o movimento sindical brasileiro, publicada na edição de domingo (11/8), sob o título Voracidade e desfaçatez. Discordamos, contudo, de vários aspectos do texto. Mas nós, da União Geral dos Trabalhadores ( UGT), concordamos no essencial: o sindicalismo precisa mudar, com toda a certeza. A possibilidade dessa discussão é uma faceta rica da democracia em que vivemos. O nosso sindicalismo atual foi formatado na era Vargas (1930-1954). Criado no início da industrialização para regular as relações entre capital e trabalho, não foi apenas uma concessão do governo da época, mas também uma luta dos trabalhadores para defender seus direitos.


Reconhecemos, no entanto, que essa estrutura permitiu o desvirtuamento de alguns sindicatos, que nasceram sem representatividade, apenas para se servir do imposto sindical. Isso não pode mais acontecer. Para a UGT, são os trabalhadores que devem decidir como devem ser construídos seus sindicatos e qual o valor da contribuição para a manutenção de suas entidades. Sem que haja - que fique bem claro - a interferência do governo federal ou do Congresso nesse novo processo. E que os sindicatos sejam realmente representativos e democráticos, inclusive com a devida prestação de contas aos órgãos responsáveis. Não há democracia sem sindicalismo. A UGT defende reformas, desde que não tirem direitos dos trabalhadores.


RICARDO PATAH, presidente nacional da UGT


21/08/2017

TV UGT-RJ


Jornal UGT-RJ

Filie-se a UGT-RJ

Projeto Inclusão Digital

Cartilhas UGT-RJ


Visitantes

Contador de Acesso - Contador de visitas

Rádio Web Fire FM

Endereço: Rua Camerino, 128 7ºAndar, Centro - Rio de Janeiro, Cep: 20080-010

Telefone: (21) 2223-2656
Telefone: (21) 2223-7849
Desenvolvido por:


Todos os Direitos Reservados UGT RJ - União Geral dos Trabalhadores do Estado do Rio de Janeiro.