Notícia

Crise aborta esboço de reação no emprego


Um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revela que quatro das 10 profissões que esboçavam maior reação na carteira assinada e tiveram abortado seu processo recuperação estão relacionadas à agropecuária. Outras três estão na indústria têxtil.


Nos 12 meses encerrados em junho, 9 mil trabalhadores agrícolas na fruticultura perderam o emprego com carteira assinada. Esse contingente representa uma retração de quase 10% no número trabalhadores ocupados, movimento que acontece após uma geração de 35.569 vagas ao longo dos 12 meses terminados em junho do ano anterior, quando o total de pessoas atuando nessa área teve um salto de 64,6%, de acordo com dados compilados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.


"Vemos que setores que ainda não haviam se recuperado da recessão se depararam com uma conjuntura cada vez menos favorável neste ano, marcado pelo baixo nível de investimentos da economia e por níveis de confiança cada vez mais baixos. Por outro lado, alguns setores que tiveram um 2017 'espetacular' em decorrência da supersafra e do avanço das exportações no ano passado se depararam com um cenário externo menos favorável e com uma capacidade de ampliação da demanda por trabalho um pouco mais limitada, pela dificuldade do País em repetir, pelo menos na agropecuária, o bom desempenho de 2017", justificou Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC e responsável pelo estudo.


A pesquisa mostra ainda que a segunda maior queda em carteira assinada ocorreu entre os trabalhadores agrícolas no segmento de gramíneas, atividade que inclui o cultivo de produtos importantes como trigo, milho e arroz.


Foram 9,8 mil vagas a menos no período, o que corresponde a uma retração de 7% no número de ocupados, após um incremento de mais de 13 mil vagas nos 12 meses terminados em junho do ano passado.


Na terceira posição, a profissão de operadores de máquinas para costura de peças de vestuário foi a que perdeu proporcionalmente mais trabalhadores. O segmento amargou uma queda de 3,1%, 8.743 pessoas a menos, após a abertura de pouco mais de quatro mil vagas nos 12 meses anteriores.


Buraco profundo


A crise do desemprego não para de apresentar resultados negativos. O Caged mostrou em junho o primeiro resultado negativo do ano, um fechamento de 661 vagas considerando todas as profissões.


Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a carteira assinada atingiu em maio o patamar mais baixo da série histórica iniciada em 2012, com apenas 32,8 milhões de trabalhadores formais no setor privado, quase meio milhão a menos que um ano antes.


Entretanto, pelo menos na construção civil a sangria pode estar perto do fim, segundo Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos no Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), responsável pela Sondagem da Construção.


"Ainda tem entre os empresários (da construção) uma intenção maior de demitir do que de contratar, mas hoje esses porcentuais estão quase iguais", lembrou Ana Maria. "Em outubro de 2015, a diferença chegou a quase 42 pontos. Havia quase 50% dos empresários dizendo que iam demitir, contra 8% dizendo que iam contratar. Hoje tem 18% dizendo que vão contratar, contra 24,5% dizendo que vão demitir", completou a pesquisadora. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Fonte: O Estadão


Data: 25/07/2018

TV UGT-RJ


Jornal UGT-RJ

Filie-se a UGT-RJ

Projeto Inclusão Digital

Cartilhas UGT-RJ


Visitantes

Contador de Acesso - Contador de visitas

Rádio Web Fire FM

Endereço: Rua Camerino, 128 7ºAndar, Centro - Rio de Janeiro, Cep: 20080-010

Telefone: (21) 2223-2656
Telefone: (21) 2223-7849
Desenvolvido por:


Todos os Direitos Reservados UGT RJ - União Geral dos Trabalhadores do Estado do Rio de Janeiro.