Notícia

Witzel envia para Alerj proposta para não reajustar o piso regional do Rio por dois anos


Levantamento aponta que o desemprego tende a ser maior entre os mais jovens, pois eles não possuem experiência no mercado de trabalho


Nova forma para agilizar a faxina - Nelson Lima Neto


O governador Wilson Witzel enviou, nesta sexta-feira, para a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o projeto de lei para não reajustar o piso regional para diversas categorias do setor privado do Estado do Rio em 2019 e 2020. A medida tem influência nos salários de mais de dois milhões de trabalhadores formais em todo o Estado. Pelo texto, fica definida a prorrogação até 31 de dezembro de 2020 dos valores estabelecidos pela lei sancionada em março de 2018, que estabeleceu as atuais bases salarias.


O piso salarial é dito como fundamental para determinadas categorias. É o caso, por exemplo, dos empregados domésticos, que aguardam a legislação na esperança de, ao menos, uma reposição salarial. Caso a intenção de Witzel prospere, os vencimentos ficariam congelados em R$ 1.193,36, até o final de 2020.


O projeto do piso regional é enviado à Alerj desde 2000, quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou lei que autorizou aos Estados instituírem seus mínimos. Desde então, a Casa tem recebido as sugestões do Palácio Guanabara. Foram 17 projetos — à exceção de 2004 —, sempre com a sugestão de algum percentual de aumento aos trabalhadores.


Em 2018, o ex-governador Luiz Fernando Pezão sugeriu aumento de 2,52% sobre o piso regional. Sem acordo entre os deputados, a Alerj elevou o percentual e estipulou aumento de 5% para os trabalhadores privados.


De acordo com integrantes do governo, a discussão sobre o piso regional foi longa. Ficou estabelecido que, com a manutenção das atuais bases salariais, o Estado terá condições de abrir mais vagas de emprego, o que resultará na melhora da economia.


A tendência é que o texto comece a ser debatido pela Alerj, no mais tardar, a partir da segunda quinzena de fevereiro. Existe a possibilidade de os deputados alterarem a proposta apresentada por Witzel.


Fonte: Extra


Data: 11/02/2019

TV UGT-RJ


Jornal UGT-RJ

Filie-se a UGT-RJ

Projeto Inclusão Digital

Cartilhas UGT-RJ


Visitantes

Contador de Acesso - Contador de visitas

Rádio Web Fire FM

Endereço: Rua Camerino, 128 7ºAndar, Centro - Rio de Janeiro, Cep: 20080-010

Telefone: (21) 2223-2656
Telefone: (21) 2223-7849
Desenvolvido por:


Todos os Direitos Reservados UGT RJ - União Geral dos Trabalhadores do Estado do Rio de Janeiro.