Notícia

Fiscalização da Lei de Cotas impulsiona contratações de PcDs no país


Em 2019, o governo federal registrou a contratação de 442 mil PcDs e reabilitados. Parte das admissões se deve às ações da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da


Economia


Contratações de pessoas com deficiência cresceram no paísArte: Kiko


Rio - Para Jovaldo Farias, de 62 anos, a atrofia na mão esquerda serve como estímulo. Jovaldo é empacotador no Prezunic e foi contratado no ano passado, período que registrou a admissão de 442 mil pessoas com deficiência no país. Segundo o governo federal, parte desse contingente (46,9 mil) ingressou no mercado após notificação de auditores-fiscais do Trabalho a empregadores. Foi o maior número desde 2003, quando os dados sobre as fiscalizações começaram a ser computados.


Jovaldo conta que não sente limitações no dia a dia. Pelo contrário. "Tenho que dar meu jeito para mostrar resultado. Por isso, acabo sendo referência para os outros colegas. Se eu cumpro as tarefas, eles se sentem obrigados a produzir também", diz.


Contratações de pessoas com deficiência cresceram no paísArte: Kiko


Segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, o principal entrave para a contratação de PcDs é o que a Lei Brasileira de Inclusão chama de 'barreira atitudinal'. "É necessário que as empresas deixem de enxergar unicamente a deficiência dessas pessoas e passem a identificar seus talentos e capacidades", explica João Paulo Teixeira, chefe da Divisão de Fiscalização para Inclusão de Pessoas com Deficiência e Combate à Discriminação no Trabalho.


PROFISSIONAIS CAPAZES


É essa mudança de atitude que Nayara Nascimento busca. Ela é coordenadora de inclusão na agência RH10, e recruta PcDs para o mercado de trabalho. "As empresas não estão mais só contratando pessoas com deficiência para cumprir a lei. Essa obrigação tem sido um pontapé inicial. Quando o empregador percebe profissionais capazes, ele retorna com um número maior de vagas para PcDs e em cargos melhores. Isso tem acontecido muito nos últimos dois anos", analisa Nayara.


Para Luiz Renato Almeida, auditor-fiscal do trabalho e gerente do Ministério do Trabalho em Duque de Caxias, na Baixada, o aumento de chances para PcDs reflete uma tomada de consciência na sociedade. "Tenho paralisia cerebral que afeta meus movimentos. Quando comecei a dirigir, nos anos 1970, lembro que os vizinhos achavam um absurdo. Eu mesmo fiz as adaptações no meu carro. Hoje, há empresas especializadas nisso. O preconceito vem diminuindo bastante, em todos os setores. Quando convocamos empresas para fiscalização, temos encontrado quadros completos de PCDs", revela.


Segundo a 'Lei de Cotas', empresas com 100 funcionários devem ter ao menos 2% de PcDs. O percentual chega a 5% em companhias com mais de mil trabalhadores.


Josevaldo Farias é empacotador e foi contratado em vaga para pessoa com deficiência no Prezunic


Contratações de pessoas com deficiência cresceram no paísArte: Kiko


Fonte: O Dia


Data: 19/02/2019

TV UGT-RJ


Jornal UGT-RJ

Filie-se a UGT-RJ

Projeto Inclusão Digital

Cartilhas UGT-RJ


Visitantes

Contador de Acesso - Contador de visitas

Rádio Web Fire FM

Endereço: Rua Camerino, 128 7ºAndar, Centro - Rio de Janeiro, Cep: 20080-010

Telefone: (21) 2223-2656
Telefone: (21) 2223-7849
Desenvolvido por:


Todos os Direitos Reservados UGT RJ - União Geral dos Trabalhadores do Estado do Rio de Janeiro.